sexta-feira, 14 de novembro de 2008

A Assembléia na carpintaria


Contam que na carpintaria houve uma vez uma estranha assembléia. Foi uma reunião dasferramentas para acertar suas diferenças. O martelo exerceu a presidência, mas os participantes lhe notificaram que teria que renunciar. A causa? Fazia demasiado barulho e, além do mais, passava todo o tempo golpeando. O martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo.Diante do ataque, o parafuso concordou, mas por sua vez, pediu a expulsão da lixa. Dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais, entrando sempre em atritos. A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse o metro, que sempre media os outros segundo a sua medida, como se fora o único perfeito.Nesse momento entrou o carpinteiro, juntou o material e iniciou o seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, o metro e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira se converteu num fino móvel.Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembléia reativou a discussão.Foi então que o serrote tomou a palavra e disse: "Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o carpinteiro trabalha com nossas qualidades, com nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos em nossos pontos fracos, e concentremo-nos em nossos pontos fortes."A Assembléia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar asperezas, e o metro era preciso e exato. Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade. Sentiram alegria pela oportunidade de trabalhar juntos.Ocorre o mesmo com os seres humanos. Basta observar e comprovar. Quando uma pessoa busca defeitos em outra, a situação torna-se tensa e negativa. Ao contrário, quando se busca com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas.
É fácil encontrar defeitos. Qualquer um pode fazê-lo. Mas encontrar qualidades, isto é para os sábios.

3 comentários:

Misrai Atanasio disse...

Como é incrível o quanto esta historinha retrata muito fielmente nosso comportamento crítico com relação aos outros.
Como sería-mos mais felizes se ao invés de criticar-mos e sempre sermos os "Experts" em apontar o defeito do outro nós elogiássemos mais as pessoas, mas um elogio sincero todos temos defeitos ,mas todos temos virtudes e muitas delas peculiares...
Sigamos o conselho do homem mais Sábio do mundo o Rei Salomão que disse:
"Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo"
Provérbios 16:24
Semeie palavras que produzam cura, elogie mais!

Otávio Monteiro disse...

Concordo com a Pastora Misrai... pessoas que vivem na "carne" costumam focalizar sua atenção nas imperfeições dos outros... apontando os erros tal qual o pai da mentira... mas fazem isso porque possuem feridas na alma... e acham que revelando os defeitos de seus semelhantes conseguem chamar a atenção para si... Mas Paulo, inspirado pelo Espírito, falou "quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu próprio Senhor ele está de pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar (Romanos 14:4)"... neste caso, não cabe a nós julgar as pessoas, porque Deus é o juiz de todos... A melhor forma de encarar as pessoas é procurar enfatizar suas virtudes... porque não há pessoa que não possui pelo menos uma virtude... só assim poderemos viver em harmonia uns com os outros... Glória a Deus!

Misrai Atanasio disse...

Amém!